quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

o ano novo solteiresco

E o ano chega em sua reta final, momento nobre onde fazemos balanços, planejamentos e metas para o ano vindouro. É nessa hora que você percebe que nem foi tão ruim ser solteira num ano de muitas descobertas, e afinal aquele seu ex era um mala mesmo e você está bem melhor sozinha. No entanto, os fogos de artifício da esperança sempre explodem na contagem regressiva da sua solteirice.


É nesse momento que você capricha nas supertições, até porque ninguém acredita em bruxa, mas que elas existem, elas existem. Pero que las hay, las hay, chica. O vestido pode ser branco, mas a calcinha é praxe, vermelha ou rosa para o amor e a paixão serem marcas do ano que se aproxima. E vale tudo, de pular sete ondas até comer 'nãoseiquantos' coroços de uva, romã ou alhures. Acredite, mulher de pouca fé. Não custa fazer uma fezinha para um ano muito bem vindo.


Ai de tanta fé que se encheu, você acredita que pode descolar um macho alpha já na festinha badalada de reveillon. E pode mesmo. Mas calma lá, isso pode ser sim um sinal de um ano porreta, se o carinha valer a pena né gata? Se for um mala, prefira passar os últimos minutos do ano no melhor estilo, 'hoje eu sou solteira e ninguém vai me segurar'. Conheço pessoas que de tanto desespero para bons ventos no quesito relacionamento que na contagem regressiva do Faustão saem correndo e beijam qualquer esboço de homem que apareça. Conselho de uma saga, não pague pra ver sua ressaca logo no primeiro dia do ano.


Promessas também são sempre bem vindas, prometa ser mais feliz, prometa não se apaixonar tão fácil, prometa ser mais madura, prometa muitas coisas. Afinal, como já dito nesta saga que bafeja os ouvidos dessa vossa solteirice, que mal faz uma promessa não cumprida? Prometa cristã, prometa. Faça listas imensas de metas, por ordem de prioridade ou aleatoriamente, à sua escolha. Sabe aquela meta não cumprida neste ano? Quem sabe no ano vindouro não sai do papel? Movimente-se muchacha, no novo ano tudo parece nunca ter acontecido antes.


O que não vale é ficar assistindo a vida como Neymar no jogo contra Barcelona. Sejam quais forem suas estratégias, corra pro ataque em busca da felicidade e faça gol de placa, só depende de você gata, vá por mim.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

das admiráveis mães solteiras

Se a vida de mulher solteira pós moderna tem seus percalços, existe uma espécie de admiráveis mulheres solteiras que merecem todos os louros e aplausos. É uma espécie de mulheres que a cada dia mais se multiplica e enche meu peito de orgulho pela bravura e a coragem de enfrentar meio mundo de preconceito com muita classe e destreza. Estou falando de ninguém menos que a mãe solteira.


O fato é que esta espécie de bravas guerreiras solteiras precisam lidar com fatores muito maiores do que os vivenciados pela solteira sem filho. Da estrutura financeira a ter que lidar com o "falecido" muitas vezes enchendo os colhões que não as foram concedidos pela própria natureza. É sabido que a mãe solteira se vira nos 10 segundos para se desdobrar em cuidados às crias e ainda ter que aturar as vicissitudes do estado civil solteira.


Craques em matemática, conseguem fazer das 24 horas do calendário gregoriano o verdadeiro milagre da multiplicação, entre cuidar da rotina da criança até tirar um tempinho para se divertir, ainda precisam manter o bom humor sempre para não entrar em parafuso. Eu particularmente acharia justo que o dia destas mulheres tivesse 2 horinhas a mais do que as pessoas comuns. Estas mulheres batalham 4 a 5 expedientes por dia, algo do tipo: manhã, tarde, noite, meia madrugada e fim da linha. E ainda são cobradas viu? Pelos filhos, por uma questão de direito natural e pela sociedade pela condição machista em que ainda estamos relegadas. Uma injustiça viu?


E se estas mulheres são campeãs em multiplicação, imagina só o que não fazem com o suado dinheiro que ganham? Se o ex for melhor pai do que marido, namorado ou freelancer, ela conta com a participação financeira do mesmo e tudo fica no mínimo mais tranquilo, mas quando não há, a brincadeira de criança fica mais feia que o Molejo cantando a música da Amarelinha! A justiça é clara: não pagou a pensão, entra em cana. No entanto, quando o montante é deliberado pela justiça e o rapaz tiver mais de um filho e não receber o suficiente para garantir um conforto sequer, Deus do céu, não paga nem o lanche da criança. Pior fica quando a guerra de braço é tamanha que acaba afetando a relação entre pai e filho. Isso é lamentável, porque a criaturinha é quem mais sofre. Conheço muitas mulheres que optam por arcarem com todas as despesas para não verem suas crias sofrendo. Acontece.


E quando a mãe solteira consegue um dia de folga e vai se divertir? É sofrível o que estas moçoilas têm que enfrentar com os atores circenses que aparecem querendo animar o picadeiro. Primeiro que muitos homens consideram que mulher solteira com filho é mulher disponível. Eles realmente acreditam que estão fazendo um grande favor tamanho é o preconceito que engessam a massa cefálica destes filhos de Adão. Eu queria entender a relação entre ter filho e ter que dar para o primeiro que aparecer assim que a mãe gata fica solteira. 'Pera ai' né? Poupem-me de detalhes sórdidos. E como meu 'padim padi' Xico Sá diz: que coisa feia/ complexo de Édipo/ com a mãe alheia. Seria cômico se não fosse trágico. E pega o beco 'cumpadi'.


E quando o lance está rolando e o carinha não se toca que não é chegada a hora de bater no portão da moça? Sim, porque mãe solteira é sobretudo e principalmente mãe, ela não faria nada que pudesse expor suas crias e, psicologismos à parte, não é tão legal apresentar aos filhos qualquer relacionamento freelancer que apareça, até porque estes freelas são tão voláteis que nem vale a pena a crise que pode causar. Se o moçoilo quer motel de graça, arrudeia ou, para o Brasil inteiro entender, dá a volta, que na casa da mamãe solteira ele não entra. Em geral, seus filhos são preteridos para todo o sempre amém.


Digo e repito: para mim não existe espécie humana mais admirável do que a mãe solteira, estas têm jogo de cintura de fazer inveja a qualquer Shakira da vida.


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

das cantadas mau sucedidas



Uma das coisas mais deprimentes que a solteirice nos proporciona, minhas cumadres, é a tal da cantada mau sucedida. Aquelas que fazem a gente pensar que merecia um illustrator na edição do texto do bonitão. Incrivelmente ruins, nos remete a mais uma dúvida de tantas que o estado civil solteira nos proporciona: dar aquele fora que vem na ponta da língua ou respirar fundo e fingir que não é com você?
São tantas bizarrices que os filhos de Adão atiram julgando ser nossos ouvidos verdadeiros pinicos da vovó, que estou montando um glossário, digno de diário de campo de uma antropóloga que pretende fazer uma observação participante para análise etnográfica. Começo hoje um ensaio das três piores que escutei nos últimos tempos.


Cantada Djavan - Aquela que o cara pensa que está impressionando mas na verdade é um grande mico.
De madrugada eu já pagava a conta quando escutei:
- Solteira?
- Sim, mas fechada pra balanço.
- Eu posso ser o peso da sua balança!
Consideração 1 : de onde ele tirou que eu havia falado balança e não balanço?
Consideração 2: Presunçoso não?


Cantada Papagaio de Pirata - Aquela que pega carona numa determinada situação. Essa acontece bastante com mocinhas fumantes e sempre tem o álibi: me empresta teu isqueiro?
Foi assim que aconteceu numa noite em que eu e mais duas amigas bebíamos e fumávamos, não necessariamente nessa mesma ordem, com fortes intercaladas de boas risadas. Entre uma e outra baforada, o carinha disparou:
- Eu já pedi tanto o teu isqueiro que é melhor eu sentar aqui.
- De jeito nenhum querido.
- Jura por Deus?
- Juro por Deus, Maomé e Jeová.
Consideração Única: Ele mereceu o fora que levou.

Cantada Jonny Bravo - Quando o macho alpha se sente o gostosão, imprescindível, único, e entre tantos adjetivos é um grande paspalhão. Essa acontece quase sempre com metrossexuais, é incrível, mas é fato.
Eu estava dançando sozinha, quando me aparece aquele metro e me diz:
- Você merece alguém bonito como eu.
- ?????
Consideração Única: Fingi que não era comigo.
Dá pra tu? Aconteceu, virou manchete.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Aconteceu, virou manchete: homo sapiens prato de papa

Solteiras de plantão, preparem-se pois o "Aconteceu, virou manchete" de hoje vem de ninguém menos do que a solteira mais descolada que já conheci nesse mundo de meu Deus, a história de hoje será contada por Elaine Acioly, a nega, que já foi inspiração de vários posts aqui nesta saga quem vos sopra o 'cangote' da solteirice.

Tem se tornado muito comum entre mulheres emancipadas sexualmente, empoderadas na cama e desencanadas com relações fortuitas, atrairem uma nova edição de machos alphas no mercado solteirístico, elas se deparam com o homo sapiens prato de papa, aquela mesmo, de banana com farinha láctea. Não foi diferente com Elaine. É minhas imagem semelhantes, ela nos conta que uma espécie desta linhagem apareceu à sua porta nos últimos tempos. Bonitinho todo o rapaz, cheio de palavriado enfeitado, um monte de lorota pra contar, como se ela esperasse por isso, mas na hora H, adivinhem? o cara fugiu! Como assim Bial? ESCAFEDEU-SE. E nem deixou um recadinho de até logo? 'Má rapá'. Ei, tu é um homem ou um prato de papa?

Mulheres como Elaine metem medo na espécie masculina que esconde a frouxidão por trás do que possa parecer machismo. O descolamento da amiga Elaine é tamanho que ela nem pede pro carinha ir buscá-la, deixar em casa ou qualquer coisa que valha, ela mesma o faz e ainda deixa o rapaz em casa se preciso for, algo do tipo, sexo à delivery. Ela é definitivamente o retrato da emancipação feminina. Estado civil? Casada, com trabalho dela. Não espera dos homens nada além do que a satisfaz. Ela já é tarimbada e calejada no quesito ilusão, por isso, decidiu viver bem com seu trabalho e com ela mesma. Simples assim. E ela é feliz viu?

O rapaz não aguentou tanta pós modernidade e correu. Não ficou nem pra escutar da bocarra daquela morena-galega que ela não morde em condições desfavoráveis. Que pena. A nega ficou sozinha chupando o drops do descontentamento. Até o próximo, porque a fila dela é grande e é de um dinamismo incrível. O troféu abacaxi foi pra quem meu caro Chacrinha? Atenção, atenção pessoal, o troféu abacaxi foi para o banana do prato de papa, que também atenede pelo regional nome de 'tabacudo' ou 'donzelo', porque, como dizia Chacrinha, quem não se comunica, se trumbica. Pééé.







E se você solteira tem uma história interessante pra contar, solteiras sempre têm, sopre-nos aos ouvidos da solteirice deste Brasil Varonil na saga quem vos fala. Mande um e-mail contando sua história: milla.iumatti@gmail.com Ah, e não esqueçam de autorizar a identificação.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

da emancipação sexual feminina e suas vicissitudes


Sabe aquela conversa que você escuta com certa frequência de que estar solteira é estar livre para ficar com quem quiser, na hora que quiser e como quiser? Pois é, infelizmente é só mais um mito construído em torno da saga cotidiana de ser uma mulher emancipada e solteira. É minha 'nêga, né mole não'.

O fato é que a emancipação sexual chegou, mas ainda esbarramos na falta de opção quando o quesito é satisfação sexual. Nem os 7 bilhões de pessoas no mundo vai adiantar muita coisa quando a procura está maior que a oferta. Acha que não? Vem pra Recife, a segunda cidade que tem a maior concentração de mulher por metro quadrado do Brasil, são 53,87% de rabos de saia na terra dos altos coqueiros, perdendo apenas para Santos, litoral de São Paulo, que marca 54,25%, segundo o IBGE 2010. O que tem o litoral pra ter tanta mulher heim? É osso amiga.

Muita gente acha que pra mulher é mais fácil, é só chegar na balada, jogar o cabelo de lado, dar uma piscadela e pronto, pescou um garoto de aluguel à la Zé Ramalho. Ledo engano meus caros amigos. Não confundam frei Damião, com 'frei' de caminhão. Para a mulher, eu arriscaria dizer, que é até mais difícil. Além dos charminhos, que hoje não é mais privilégio feminino, encontrar um broto legal disponível é tarefa para garimpeira. Dá uma preguiça.

Sim, nós também ficamos na ratoeira meus prezados machos alphas. Sem contar que tem que ter o mínimo de critério né? Não é porque estamos em períodos de vacas magras que toparemos qualquer ziriguidum. 'Peraê' meu velho. Tem aqueles critérios básicos: o cheiro, o papo, a pegada e tudo o que envolve a arte da 'pegação'. Mesmo no famoso 'matando cachorro à grito' tem que despertar o mínimo de feromônio, se não, não rola. E nem adianta insistir.

Desanimador? Nem tanto gata. Muitas mulheres solteiras e emancipadas sexualmente optam por escolher um PA para serem felizes. PA, ou pau amigo, é o que há de mais moderno nas relações desencanadas da pós modernidade. Esta é sem dúvidas a melhor opção já pensada no universo solteiresco feminino. O PA é quase um namorado de mentirinha. Em geral, o verdadeiro PA, é amigo, escuta as bobagens cotidianas, às vezes até leva pra jantar, mas o objetivo é único: cama. Depois ele volta pra casa, vai viver a vida dele e quando você precisar de novo, lavou tá novo. Simples assim.

Parece interessante, se, e somente se, você mulher solteira não transgredir o maior código entre PA's e BA's: apaixonar-se. Tudo bem, você dirá: mas eu estava carente e blá blá blá. Ok amiga, mas você rompeu com o código. Ele certamente vai encontrar outra amiga por ai. Demanda não falta, lembra? Quando isso acontecer, firme na luta, trate logo de encontrar outro PA e aprenda a lição: PA's, PA's, paixão à parte. Ah, importante: camisinha heim gata?! Vacilou o cachimbo cai. Enquanto não acontece, curta seu osso duro de roer.



Ou então, escuta o Zé.


Em tempo e com a devida autorização, dedico este post às emancipadas Laura Patrício e Patrícia Oliveira, que, além da inspiração do dia a dia, me deram inspiração para escrever este post.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Aconteceu, virou manchete: Homo sapiens fujões.

Que é da natureza da solteirice nossa de cada dia entrarmos em algumas frias em forma de promessa do suposto grande amor, todas nós cansamos nossas cútis em saber. É sabido ainda por toda gata borralheira que por aqui passou, que muitos machos alphas são deprimentes e dá preguiça só de pensar o que as espera na saga diária que é estar solteira.

Na nova série que é inaugurada hoje poderemos acompanhar as enrascadas das nossas imagem semelhantes mundo a fora que, gentilmente compartilharão suas histórias, contos e causos que só o estado civil solteira proporciona.

O Aconteceu, virou manchete de hoje vem da linda, loira e bem resolvida Raffaella que teve o desprazer de deparar-se com um exemplar da espécie dos homo sapiens fujões. É, minhas amigas, mesmo sendo um mulherão não estamos imunes em cair no infeliz conto do vigário que, no caso da Raffaella, caiu no conto do místico, sim porque o boy era desses carinhas que se dizem entender coisas sobre cosmos, estrelas e tudo que venha do oculto, mas na verdade, não passou de um grande charlatão.

A situação ficou ainda mais feia, quando o moçoilo deu o famoso 'zignal', num número de ilusionismo à la David Copperfield, o moço escafedeu-se e nem deixou um bilhetinho de 'já não te quero mais'. Pois é solteiras, pasmem, o indivíduo deixou a loiraça chupando o drops da espera sem resposta. Ele aproveitou uma viagem que ela fez à trabalho para dar no pé. 'Rapá', isso não se faz.

O paspalhão que a Raffa se deparou ainda foi além. O carinha quis dar um cano nela, a criatura não queria devolver o celular que ela tinha dado para comunicar-se com ele. Pirangueiro, unha de fome e mão de vaca, ele esqueceu todas lições de cavalheirismo. 'Peraê cumpadi'. Devagar com o andor que o santo é de barro. A loiraça Raffa, pós moderna toda, pagou a conta não só dos bares e restaurantes por onde passaram, ela teve que pagar a conta do desprezo quando ele não quis mais continuar o love story.

Gente, se tem algo mais decadente nesse mundo de meu Deus é a pessoa que não se assume. Se não está mais a fim, jogue a toalha e peça pra sair zerodois. Mas avisa 'véi'. É muito feio fugir. Covardia esconde atrocidades. 'Tu é frouxo é'? E como diz meu padim padi Xico Sá, 'seje homi'. Invente qualquer desculpa que valha, diga que foi abduzido por uma galega peituda que veio de Marte. Mas fale. Hable. Tenha um teti a teti, jogue na real meu velho. O que custa? É melhor pra todos os lados. Além de ser mais leal.

Raffa percebeu que estava sendo passada para trás e tratou logo de entender em qual parte da história ele tinha esquecido de avisá-la que era um enrolão. Mas as respostas foram pífias. Tudo era uma grande mentira.

A solteira Raffa, desenrolada toda, correu léguas. Hoje, bem resolvida, dá risada do espetáculo circense que ele montou, com direito a juras de amor eterno e fuga do picadeiro que, no momento, já havia pegado fogo.

Esta história foi contada por Raffaella, a sua pode ser a próxima. Conte-nos tudo, não esconda nada. Mande sua saga para o e-mail milla.iumatti@gmail.com, contando causos da solteirice vossa de cada dia, vale tudo, mas deixe especificado se você quer ou não que sua identidade seja divulgada. Os nomes das solteiras só serão divulgados com a prévia autorização. Ah, os nomes dos brotos legais não serão divulgados em hipótese alguma, não vamos fazer aqui uma cruzada contra os loroteiros de plantão né? Ademais, são tão iguais que nem precisa.

E a saga da Raffa tem trilha sonora e ela é cantada por ninguém menos que ele, Chico, o Buarque.






terça-feira, 27 de setembro de 2011

a outra face da 'outra' ou da espécie homo sapiens loroteiros

Finalmente a solteira encontra o pretenso par perfeito, aquela criatura que a faz sentir moradora da nuvem cor de rosa, o macho alpha number one, erupção de testosterona por metro quadrado de homem, liberação de serotonina por cada segundo ao lado dele, o cara... até que vem a notícia: casado??? How? É amiga, é nesse momento que você percebe que seu mundo caiu Maysa e você passou de affair para ser a 'outra'. Pede pra sair zerodois que confusão é grande.

Conselho? Marque carreira e corra léguas. Não somente pela questão moral, da preservação da família e todo esse papo chato que os moral cruzards insistem em incutir na gente. Prefira distância porque o barco é furado mesmo e o balde do desespero não poderá resolver.

A conversa é sempre a mesma: estou me separando. É praxe. Isso quando ele não transfere a culpa para a oficial, no quesito pulada de cerca eu já soube de cada história, de possíveis surtos até a desculpa de que a esposa não suportaria a dor da separação e morreria. Presunçoso? Não gata, safado mesmo. E como dizem os mais velhos: desculpa de amarelo é comer barro. Nessa conversa você cai se quiser amada. O fato é que assim que ele conseguir o que queria, você será página virada descartada do folhetim da criatura apodítica.

Nesta seara sobra sempre para a famosa 'outra', ou seja, a coitada que foi enganada sobre o estado civil do moçoilo. É nessa hora que a solteira da espécie 'outra' passa a ser alvo das comprometidas, fica na mira dos comprometidos e vira assunto entre a humanidade hipócrita nesse mundo de meu Deus. A 'outra' enganada sofre mais que a Helena de Manuel Carlos, como diz uma amiga minha, e haja sofrimento. O fato é que a 'outra' é na verdade uma incompreendida.

Os casos de paixão extrema, amor incontrolado e blábláblá estão fora da pauta. Casos como estes podem aparecer no script de qualquer reles mortal. Estou me referindo às vítimas do homo sapiens loroteiros, espécie de homo sapiens que estão de plantão em qualquer ambiente, prontos para contar a mesma história de sempre, para todas.

O fato é que existem pessoas que nasceram para serem poligamicas, solteiros natos, com uma desenvoltura no quesito lorota de causar inveja em qualquer narrativa jurídica. Estas pessoas quando estão numa relação monogamica o óbvio acaba por acontecer: traição.


Os loroteiros são peritos em persuasão, dois dedos de prosa e está lá, você acaba acreditando piamente na conversa do bonitão. O estrago piora ainda mais se você resolve ligá-lo, mandar e-mail ou coisa do tipo, quando a patroa desconfia ele vai culpar nada menos do que você que é a 'outra' e vai te rebaixar à categoria 'aquela'. Pra cima de mim seu cabra?


Na realidade homens da espécie loroteiros, são uns covardes de marca maior, quase um prato de papa de tão mole que são quando estão frente à frente da confusão. Se você, gata solteira, não está a fim de entrar numa fria, melhor não se envolver, antes que você de mocinha vire vilã dessa novela nossa de cada solteirice.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

da roedeira nossa de cada decepção

Também faz parte da saga da mulher solteira a famosa e maravilhosa dor de cotovelo. São momentos épicos, quase um ode à dor. Um ritual sagrado de culto à saudade. São momentos em que as lembranças chegam em avalanche e a pessoa degusta com prazer.

Tem que ter trilha sonora, claro. E quanto mais deprê mais o momento fica triunfal. Waldick Soriano sempre é boa companhia das dores dos desamores. Torturando esse ser que te adora, vamos desfrutando do nosso momento, só nosso. Acenda um cigarro e beba mais um gole. Momentos como esses são intensos e passam rápido.

Pelo direito nobre de roer. Roa ratinha solteira, o rei de Roma te deixou na sarjeta da solidão. No melhor estilo brega, aumente o som e viva a sua dor de cotovelo. Nesse quesito vale até o Tecno Brega do Vício Louco minha nêga, mas tudo tem que ser regado a uma boa e sagrada bebedeira. Que mal faz uma roedeira? E quem nunca roeu que atire o primeiro copo.

Nelson Gonçalves que o diga. Mestre em cotovelos roxos ele vivia a dor com a beleza de um amante. Corria pra um botequim, cantava as mágoas de um caboclo solitário no regresso à boemia. Tudo na mais perfeita classe.

Mas seu mundo não caiu cara Maysa contemporânea, se avexe não cumadre, que a tampa da sua frigideira uma hora aparece. Mesmo que furada, um cacareco, é a sua tampa, do seu número, vai te servir muito bem.

Enquanto isso, vai viva a roedeira nossa de cada decepção ao som do mestre.





terça-feira, 6 de setembro de 2011

da paquera nossa de cada solteirice

Depois do fim daquele relacionamento que você apostou suas fichas de esperança, passadas as fases do the end, veio a decepção cravada, as famosas e já citadas aqui promessas da ressaca do fim e blá blá blá, até que chega uma hora que FINALMENTE - em caixa alta- você toma uma decisão: se jogar pra vida. É chegado o momento de pesquisar o circuito de baladas, refazer amizades e cair com tudo no roteiro dos solteiros life style 'à procura da batida perfeita'.


A paquera nossa de cada solteirice se instala e ai você se dá conta de algo desesperador: o tempo passou e você não sabe mais paquerar. And now? Ilha de Lost sem Google maps cumadi e cumpadi, situação mais difícil que vida de pitomba em boca de banguelo, fera. Mas calma lá, seu mundo ainda não caiu Maysa perdida, um pouco de paciência e treino no espelho você retoma o charme que lhe é peculiar.


Se você é descolada ou descolado, o tempo entre a constatação do seu destreino até a recuperação do título de atiradora ou atirador de elite vai ser mais curto que cabelo de sapo. Para os tímidos de plantão, a situação torna-se uma missão quase impossível. Mas nada de se descabelar, tudo é uma questão de treino e dedicação, sim, porque tudo na vida precisa de empenho e no quesito paquera não podia ser diferente.


Então você decidiu ir pra farra. Auto confiança é fundamental para toda e qualquer empreitada, sobretudo, quando se trata daquele macho alpha que exala testosterona e você está de olho faz tempo. Lembre-se você pode não ter o padrão de beleza da capa de revista francesa, mas você é inteligente, simpática e tem outros atrativos irresistíveis. A descontração também é primordial para atrair os olhares de quem saltou aos seus olhos, pra quê ir pra balada justamente quando seu humor está carrancudo? Positividade atrai seu semelhante. Com a junção entre auto confiança e descontração você poderá dominar o mundo, se joga muchacha.


No quesito olhar 43, muitas mulheres adotam o famoso charminho. Aquele que vem acompanhado da viradinha de rosto assim que o broto corresponder a olhada. Pra ser sincera, sou adepta do 'o que é bonito é pra ser secado'. Viradinha pra mim é perda de tempo. Encarar o broto legal chega a ser sinônimo de atitude e de boa, se ele te achar 'jogada', ele é um grandissíssimo paspalhão machista, parte para outro alvo, perde tempo não. Mesmo assim acredito que toda estratégia é válida para ser feliz na paquera. Secando ou não. Aproveite a fila do banheiro para puxar assunto, passe ao lado e esbarre, faça cara de tímida, mostre interesse, dance, sensualize, enfim gata, tem um arsenal de estratégias para você explorar.


Treine no espelho quando ninguém estiver por perto. Há segredos que levaremos para o túmulo amiga. Aproveite seu estado civil solteira para fazer coisas que quando estamos com alguém torna-se tarefa difícil, como colocar aquela máscara de limpeza de pele, pepinos no olho e dormir com calcinha furada. Treine, qual é o problema disso? Dedicação no charme nunca é demais. O que importa é ser feliz e receber com alegria a chegada de uma nova fase na sua vida. Lembre-se que 'mistérios sempre há de pintar por ai'.



Esteja certa que na paquera muitos Hoochie Coochie Man irão cair aos seus pés.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Momento Penélope Charmosa

Solteiras do mundo, uni-vos! Este é o chamado para a primeiríssima promoção dessa saga quem vos fala, isso em comemoração à marca de 1.500 visualizações deste blog em 7 meses de existência e é claro, em cumrpimento à promessa do dia dos solteiros. A revolução aqui meu bom velhinho Karl Marx, será na auto estima das damas que seguem e são leitoras da saga que sussurra aos ouvidos do meio mundo de homem perdido, porque a ordem do dia é socializar também a beleza.

No melhor do momento Penélope Charmosa, as solteirinhas de plantão terão desconto especial na compra de maquiagens do quilate da M.A.C, NYX e pincéis Sigma para vocês arrasarem na super produção e dar um tapa nessa auto estima. Ficaram doidas? Estão infartando? Querem morrer? Calma dona Maria, segura esse frisson que eu explico.

A Dampz Cosméticos, loja virtual de venda de make up importadas desde 2008 com credibilidade segura, e a Saga da Mulher Solteira resolveram se juntar para em parceria fazer da solteirice um estado civil belo e elegante, assim as leitoras e seguidoras terão desconto especial de 5% nas compras acima de R$50,00.

E ai? Como faz menina? Calma mujer, para participar é mais fácil que levar cantada bem sucedida na balada. A senhorita vai fazer assim: se você ainda não segue esta saga, gentilmente a Maria Bonita leitora ai vai apertar no botãozinho do lado direito e seguir, de quebra você acompanhará as atualizações das postagens. Isso não é obrigatório gata, só é gentil, assim como um recadinho ai embaixo, dói não amiga, vai lá, faça uma blogueira feliz.

Se você já segue, a redatora aqui deixa um beijo colorido com batom Rouge à Lèvres da M.A.C e diz corra, Lola, corra para participar dessa promoção. Importante: para validar o descontinho camarada, a revolucionária de plantão no ato da compra sinalizará com a palavra chave 'asaga', que é para o pessoal da Dampz se certificar que a senhorita é fiel seguidora das bobagens cotidianas desta saga.

Aproveitem chicas e me mandem notícias do sucesso que vocês fizeram com make up ultra potente.


quinta-feira, 18 de agosto de 2011

da espécie homo sapiens don juan

Em tempos de amores líquidos a nova invenção do momento é o dia dos solteiros. Saudado e aclamado por todas as redes sociais desse meio mundo de pós modernidade, o dia 15 de agosto deu o que falar e a saga da mulher solteira não poderia deixar de reverenciar uma conquista tão nobre, não é mesmo? Em tempo, a redatora ainda capenga da enfermidade que a acometeu se redime e vem nessa saga quem vos fala soprar aos ouvidos da solteirice vossa de cada dia causos que só o estado civil solteira proporciona. E a pauta não poderia deixar de ser outra: homo sapiens masculinos, machos alphas de meia tigela que vez ou outra nos deparamos por ai.

Depois da classificação do homo sapiens cafa's relatado aqui, o homo sapiens da vez é o don juan. No melhor estilo romântico de araque eles amam loucamente a mulher que está ao seu lado, o problema é a rotatividade desse amor. Algo do tipo síndrome de Vinícius de Moraes saca? Ai de quem não rasga o coração Mr. Moraes, e haja paixão.

As juras de amor eterno são um adorno da encenação gata, nem se iluda, você será amada verdadeiramente, mas não espere pelo próximo encontro, é provável que ele não aconteça. Se você amiga solteira é do tipo que se apaixona fácil, que cai em qualquer conto do vigário e se ilude com um buquê de rosas, corra, Lola, corra! Essa espécie é perigosíssima para você, eles têm coração de bovino tamanha é a capacidade de amar várias pessoas ao mesmo tempo, pense num rapaz de coração grande!

Mas se você é desencanada, eles são perfeitos para encontros casuais, depois do encontro você certamente sairá com o ego lá em cima. No estilo 'amou daquela vez como se fosse a ultima' você pode ser feliz sem muita espera, esteja certa que eles são voláteis e uma dica gata, seja também, que mal faz não ter compromisso de vez em quando? Take it easy baby, vá ser feliz que a tampa da sua frigideira está guardada.

ps 1. e para brindar o dia dos solteiros em breve a saga terá promoção especial para as leitoras e seguidoras. Aguardem.

E como dizia o poeta...

quinta-feira, 28 de julho de 2011

o discreto charme da descomplicação 2

A saga não foi entregue às 'moscas', a redatora pode até estar entregue, mas a solteirice vossa de cada dia ainda rende muito pano pra manga. A pauta do dia é nada mais nada menos que: Descomplicar.E saiba de uma coisa, nessa lha de Lost dos relacionamentos a vida se torna tão melhor quando se veste a carapuça da descomplicação.

No quesito relacionamento, quanto mais desencanada você estiver mais interessante se tornam os encontros. Complique não amiga, não perca tempo de ser feliz. Os melhores encontros amorosos acontecem justamente quando não estamos encanadas, da forma mais inusitada possível. Você já reparou que quando estamos desprevinidas, sem aqueles artifícios mulherescos, supre produção, salto nº 20 e make up ultra potente, geralmente é quando encontramos um broto legal disposto a investir na bolsa de valores do nosso coração?

Calma lá, isso não é um apelo para que as Marias Bonitas saiam com matulão à procura do seu Lampião. É o exemplo de que é do inusitado que muitas histórias interessantes acontecem. Como aconteceu uma vez com uma amiga que foi acodida de uma mordida de cachorro e encontrou seu príncipe encantado. Cachorros me mordam. Se ela rebolou? Nada mulher, foi ser feliz e vai casar logo menos.

Rebole na pista de dança dos relacionamentos não gata. Você pode perder a grande chance de ser feliz. Deixe o jogo de sedução de lado. Afinal, mulher descomplicada é o ápice da sedução. Seduza-o sem artifícios escusos. Mostre sua emancipação mujer. No famoso: ou trepa ou sai de cima, decida se é ele o macho alpha que você sonhou pra si, se for, se jogue dona Maria. A altura da sua queda é a mesma que a dele.

Se não deu pra você gata, resignifique, calce os sapatos do descolamento e corra, Lola, corra. Não adianta a insistência em corações mais flutuantes que a bolsa de Nova Iorque em tempos de crise financeira. Mais pra frente você encontrará a tampa da sua frigideira.

Ivan Martins na coluna da Revista Época escreveu 'o amor bom é facinho' onde discorre, sob o ponto de vista masculino, acerca do prazer que se tem quando a vida é mais simples, os encontros e a vida à dois se tornam igualmente mais simples. Simples assim, mais que a operadora de telefonia móvel.

O discreto charme da descomplicação permanece à todo vapor nesse meio mundo de pós modernidade. Então, o que você está esperando para ser feliz?


E quando o macho alpha aparecer na sua, abaixe suas armas baby:

domingo, 19 de junho de 2011

Das promessas não cumpridas

Depois do the end no centro da tela. Os créditos finais. Fade out, fade in. E começa o filme II parte I: Prometo.

Uma chuva de promessas. Um toró daqueles pesados. É mais promessa que o Estádio do Santa Cruz todinho implorando à Deus, Jesus, Jeová ou Maomé para tirar a cobrinha da série D.

É promessa de tudo quanto é tipo meu nêgo e minha cumadre, é um tal de “eu juro não ser tão passional”, “prometo não me entregar tanto na próxima empreitada amorosa”, “eu juro que vou me amar mais”, e por ai vão as promessas nossas de cada decepção.

São as promessas da ressaca do fim. Tão fluídas como as da cachaça mal sucedida, como regime de segunda-feira e das nobres mudanças de fim de ano.

Promessas devem feitas, mesmo que elas não saiam da sua posição original, apenas promessas!

Prometa, mesmo sabendo que você não vai cumprir. Pelo direito nobre de prometer. Invente mundos fantásticos de alguém que levou uma queda do cavalo branco daquele bandido e será socorrida pelo príncipe. Prometa se cuidar mais, ser mais racional, evitar DR’s, ser madura. Prometa. Que mal faz uma promessa não cumprida?

Jure de pé junto, mesmo sabendo que ao próximo cheirinho no cangote você possivelmente vai esquecer tudo o que prometeu. Vai se entregar como uma louca, vai ser intensa, passional e cometer os mesmos erros tudo de novo. Ou vai me dizer que o próximo macho alpha que aparecer galanteante na sua frente não vai te deixar com borboletas no estômago? Pra cima de mim dona Maria?

Pelo direito irrestrito de amar demais, mesmo que seja tudo somente sexo e amizade.


Prometa como Maria Bethânia, 'porque toda razão toda palavra vale nada quando chega o amor'.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

sobre a falta de intimidade

Se tem uma coisa difícil de administrar na solteirice nossa de cada dia, seu João e dona Maria, é a danada da falta de intimidade. Adão e Eva fora do paraíso, sem roupa em plena Conde da Boa Vista meio dia de sol rachando!

A falta de intimidade é o fim das relações. O que dizer? O que fazer? Pra onde vou? Ilha de Lost dos relacionamentos, sem passagem de volta, fera. E se ache viu? Complicação pra mais de metro nesse mundo de meu Deus.

É como o primeiro dia de trabalho que a gente não sabe bem onde colocar as mãos. Dá preguiça só de pensar em conhecer a figurinha premiada do pacote de ruflles sabor salsa e cebola. Cebola? Nem pensar. Que dirá alho, nem bugalhos minha cumadê.

O perfume tem que ter a dosagem certa, nem doce, nem cítrico, muito menos amadeirado, algo do tipo lavanda Johnson, saca? Para não ter o perigo do brotinho sair correndo de enjôo pelo seu exagero nas gotas de esperança.

E o que escolher pra jantar? É bom estar ciente se o macho alpha tem essas frescuras da pós-modernidade que promete vida longa, algo do tipo lactovegetariano e essas coisinhas verdes que nos deparamos por ai. Se rolar e não for sua praia gata, melhor não insistir, você terá dor de cabeça mais pra frente e remédio homeopático não vai funcionar, quem avisa amiga é.

Cama. Lascou. Essa parte sem intimidade é o fim. Nem tanto pelo ziriguidum, mas acordar ao lado de um carinha que você não tem a menor liberdade é tarefa para corajosas. Quando dormimos todas as nossas armas baixam guarda. Hálito das incertezas do amanhã de manhã. Toda aquela super produção do dia anterior, make up ultra potente, tubinho preto, salto 20, não vão esconder o seu cabelo assanhado e a cara amassada da manhã seguinte minha cara Audrey Hepburn. Nem vão disfarçar aquela remela preta de lápis borrado. E se você caprichou no rímel pode ter certeza que a figura vai pensar que dormiu com uma ursa panda. Se garanta viu?

E o que falar? Vixi Maria. Tem que ter a habilidade de um orador de formatura pra dosar as palavras desse português ruim, nessa ocasiões melhor beber com moderação. É que a censura é inversamente proporcional ao teor alcoólico da noite bem sucedida. Tentar manter o equilíbrio entre o que se quer falar e o que se pode falar não é tarefa fácil, às vezes escapa um "eu amo teu cheiro", e o carinha certamente vai se assustar, como você ama o cheiro do broto legal, se você está conhecendo ele agora minha amiga dona de casa? Tenha calma, vá com um pé no freio e o outro na embreagem que é melhor pros 4, sim pra você, pra ele e pros próximos que virão.

Relações sem intimidade é como saltar de pára quedas, pode ser muito bom, mas tem chance de ser desastroso. Intimidade é o tempero do love story. É um caminho sem volta, sem tarja preta nos olhos do amor. Solteiras do mundo, uni-vos pela intimidade necessária nas relações do dia a dia, mesmo que na manhã seguinte ele seja página virada descartada do seu folhetim.


Ela já sabia, vivia de passagem mas amava com intimidade.

domingo, 5 de junho de 2011

dia das (e)namoradas

O dia dos namorados está chegando e o frisson do momento romântico começa a dar sinais de vida. Se você está se armando para curtir a fossa cara ratinha solteira, saiba que roer faz bem mas tem que ter limite. Roa, mas roa com moderação.

Nesse dia dos namorados, take it easy baby viva o melhor estilo: estou solteira mas sou feliz. Para você que vive no estado civil solteira esse dia também pode ser um campo fértil para boas experiências. Acha que não? Pois bem, montei um glossário com propostas de boas maneiras pra ser feliz, mesmo que você não ainda tenha um homem pra chamar de seu curta a solteirice life style em bons momentos.

Momento Carla Bruni: Esse exercício é imprescindível para os momentos seguintes. A primeira coisa a ser feita é olhar no espelho e se ver de dentro pra fora. Sem auto confiança você passa fragilidade aos que lhe observam e isso pode enfraquecer ainda mais sua auto imagem, é hora de vestir a carapuça de Carla Bruni e se ver melhor do que você pode ser.

Momento Penélope Charmosa: Felicidade combina com classe. Esbanje charme. Vaidade moderada pode surtir um ótimo efeito para o ego. Se arrume, mude o visual, invista na make up, inaugure um vestido super potente, arranje alternativas pra ser ainda mais bonita. Mesmo que você fique em casa desfile na passarela da alegria.

Momento Joana D'arc: Liberdade e bravura são elementos importantes para uma vida leve. Lembre-se que todas nós somos filhas de Joana D'arc, somos guerreiras em busca da liberdade. Viva livremente para levar a vida simplesmente.

Momento Bob Marley: Afaste o que tem de preocupação da sua vida. O dia dos namorados não combina com lamento. Se a grana está curta, se o trabalho está pesado, se a bolsa de valores caiu, se o seu time favorito não está na primeira divisão, gata, deixe pra pensar nessas coisas a partir do dia seguinte. No dia dos namorados tire férias de problemas. Don't worry, be happy.

Momento Pop: Roda de amigos tem poder de cura para qualquer dor de cotovelo. Marque uma boa farra, saia para lugares divertidos e proponha positividade para os que andam ao seu lado. Dia dos namorados pode ser também o dia dos bons amigos, à propósito são eles que seguram sua onda quando seu alter ego é o Waldick Soriano não é?

Momento Roberto Carlos: Se apaixone novamente por tudo o que você construiu nas relações interpessoais. Aproveite o clima romântico para se declarar aos que são essenciais para sua vida. Faça como o rei, destile todo seu amor. Sua romântica, sua apaixonada. A família, os amigos e os bichinhos de estimação agradecerão. O dia dos (e)namorados é o dia perfeito para declarações públicas de afeto.

Momento Chaplin: Sorria darling. A vida está ai pra ser bem vivida. A tampa da sua frigideira um dia aparece gata, se avexe não.

A vida de solteira pode te proporcionar momentos de extrema felicidade, mesmo que você durma sem seu cobertor de orelha. Cotovelos roxos combinam com os restantes dos dias, no dia dos namorados se permita ser feliz. E não chora ninguém.



Colocando em prática pelo menos parte desses momentos Eric Clapton certamente diria que você está maravilhosa na noite dos (e)namorados:



terça-feira, 24 de maio de 2011

o discreto charme da descomplicação

Se tem uma coisa pouco atraente nas relações nossas de cada dia é o tal do 'charminho'. Essa postura, mais desatualizada que o dedal da vovó, infelizmente ainda é adotada por muitas cumadres solteiras e já tem adeptos de bigode nesse meio de mundo de contemporaneidade. Falta paciência minhas caras amigas e meus prezados amigos.

Toda conquista tem seu charme, seus risinhos de canto de boca, olhares e disfarces, mas definitivamente o famoso 'doce' não faz parte da conquista. Não dê corda para o sexo oposto se enforcar, isso no mínimo é indução ao suicídio e você pode se complicar. Descomplique vá lá. Rebolar faz bem só na pista de dança, à propósito quem te nomeou para dançarina do tchan dos relacionamentos? Faça não gata, é pouco usual hoje em dia, e ainda enfraquece a categoria né amiga? E vocês filhos de Adão nem comento, fica ridículo nas vossas carapuças.

Se você está a fim daquela figurinha premeada do pacote de Elma Chips, não perca tempo de ser feliz, mesmo que essa felicidade acabe na manhã seguinte. Muitas moçoilas argumentam que sem o 'joguinho' o carinha vai querer somente sexo e amizade. Toda vez que escuto isso me pergunto se isso vai mudar se você colocá-lo em banho maria, afinal se o macho alpha só tem essa pretensão ele te deixará no fosso da solidão assim que atingir o objetivo dele, mesmo que isso ocorra após o quinquagésimo encontro. Não se iluda. Melhor que seja logo para que não haja maior envolvimento da sua parte não acha?

As relações amorosas são muito além do que o conflito de ir ou não pra cama de primeira, relações devem estar pautadas por respeito, carinho e cumplicidade e se alguém vai te julgar por você ser sexualmente emancipada pense que ele não é do seu número e a relação de vocês seria uma tragédia anunciada, fatalmente saltarão aos seus olhos o machismo e preconceito.

O charminho fica ainda mais ridículo quando o protagonista é o broto legal. Numa tentativa de deixar a garota envolvida para satisfazer o ego, muitos mocinhos acham por bem entrar nessa dança desatualizada. Se está a fim da cria das suas costelas amigo deixe de tese porque a marcação é sempre cerrada gato. Tudo fica mais bonito quando as cartas estão na mesa.

Mademoseille e ma'chérie definitivamente a palavra de ordem do momento é descomplicar. Portanto, se envolva no discreto charme da descomplicação e entenda que a vida pode ser muito mais do que você pensa.



Faça como Nina Simoe, curta a vida no melhor estilo feeling good:

terça-feira, 3 de maio de 2011

da disponibilidade nossa de cada dia

Não bastasse enfrentar as dificuldades diárias encontradas na vida de uma mulher solteira, as moçoilas desimpedidas precisam lidar com um fator recorrente nas suas relações: a falsa idéia de que o fato de estarmos solteiras representa disponibilidade.

Tenho observado na saga nossa de cada dia um senso de solidariedade exacerbado e um tanto presunçoso por parte de alguns lobos em pele de mocinhos que numa tentativa de 'consolo' querem aproveitar a aproximação para levar a chapeuzinho de vermelho de plantão para a casa da vovozinha. Estar solteira não representa estar na prateleira empoeirada dos relacionamentos.

Mulher solteira não é sinônimo de solidão e abandono. Pera lá muchacho. Temos nossos critérios e nossos desejos, o que habilita aos senhores pensar que somos disponíveis para todo o sempre amém? Não, nossas carências podem ser resolvidas à base de boas companhias, risadas e até mesmo uma barra de chocolate, é científico inclusive, você não é tão imprescindível quanto você pensa que é. Me poupe desse altruísmo camarada, sei bem quais as suas intenções e se você não foi o escolhido, so sorry baby, qual foi a parte do 'não' que você não entendeu?

Basta estarmos numa festa, num bar ou qualquer baladinha que enfeita nossa vida social que aparece um altruísta se achando único e imprescindível, com toda a 'benevolência' que lhes são peculiares se acham no direito de se instalar ao lado para destilar toda a presunção do mundo e 'resgatar' a mocinha dos braços da solidão. A insistência pode enfraquecer a amizade, digo logo.

Para muitas moçoilas o status 'solteira' do facebook, orkut e qualquer rede social que valha, não representa um sofrimento constante, pode ser um estilo de vida bem proveitoso. Não, definitivamente, não estamos disponíveis para qualquer broto legal que nos apareça sorrindo e prometendo felicidade eterna. Até porque o conceito de eterno dos mocinhos são mais efêmeros que sete belo em boca de criança.

O desejo consentido torna a relação mais interessante. Disponibilidade requer desejo, vontade, tesão e se esses critérios não forem preenchidos, nada feito gato, você pode ser a mistura da beleza do Alan Delon e a bondade do Dalai Lama e mesmo assim não rolar o feeling necessário. Nessas horas peça pra sair zerodois, é mais bonito.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

é a pós modernidade

A saga da mulher solteira surgiu a partir dos desabafos de uma solteira perdida num blog que foi lançado para sua catarse. Observando que algumas postagens do embrião dessa saga ficaram perdidos nos emaranhados do inconsciente daqueles fragmentos, resolvi intercalar aqui algumas postagens antigas, com novos causos para vocês rirem, chorarem ou ficarem de saco cheio. Segue então a primeira postagem dessa saga quem vos fala.

***

A saga de uma mulher solteira em tempos de amores líquidos é mais difícil que a vida da pitomba em boca de banguelo. Complicação digna de tese de pós doutorado em Oxford. E bote complicação nisso.

Em pleno século XXI, a mulher pós moderna ainda padece do preconceito masculino. Machismo é o gesso que imobiliza a mente do homem. Pode ser o mais descolado ou o mais almofadinha que existe no mercado, fatalmente ele irá te julgar no momento em que se sentir inseguro. Não se trata de uma discussão de gênero, sexista e desnecessária nesses fragmentos tolos, é o desabafo de uma mulher perdida nesse meio de mundo de pós modernidade.

E exagere ai na dose de dúvidas. Muitas e em avalanche. O que fazer quando aquele macho alfa que exala testosterona aparece cheio de amor pra dar na balada? Partir pra cima? Ele pode me achar jogada. Ficar na minha? Pode achar que não tenho interesse.

A situação piora cara amiga e minhas imagem-semelhantes quando pescamos o bonitão. Aceitar o convite de ir pra cama de prima, assim de testa mesmo? Muitas mulheres guardam seu tesão pra impressionar o cara. Eu sou dessas mulheres que só dizem sim, mas aceito como prenda a ligação do dia seguinte, a massagem no ego e o disfarce de que tudo não é apenas sexo e amizade.

Homens às vezes dá enfado. O preconceito com mulheres independentes é tão previsível que a máxima do antes só do que mal acompanhada vira rotina na vida de muitos rabos de saia que conheço, na minha inclusive.

Não meu amigo cafa, não me ligue somente para os finalmentes numa madrugada fria qualquer que você foi o perdedor. Seje homi rapá. Diga mais que sou linda, massageie o ego dessa cria de suas costela, que mal faz nisso? Ligue para comentar o seu dia, diga que escutou Neil Young e se lembrou daquela conversa que tivemos, mesmo que seja mentira. Mentiras sinceras me interessam. Afinal você é um homem ou um prato de papa?

O medo, talvez seja a variável mais decisiva nesses momentos. Take it easy, baby, não mordo em condições desfavoráveis. Sim, sou inteligente,você não vai me dobrar fácil, tenho independência financeira, e blá blá blá, não me venha com esse papo de medo de se apegar que isso está mais desatualizado que o dedal da minha tia avó. Se jogue hombre, que a distância da sua queda é a mesma que a minha.

É, bem que Bauman avisou, são tempos de amor líquido.

Então, aprenda com Leonard Cohen:

segunda-feira, 11 de abril de 2011

a saga também tem trilha sonora


A saga agora, super fashion, tem trilha sonora.
E para começar vamos de diva né?
Ela, ninguém menos que Janis Joplin.
Curta sua solteirice no melhor estilo Summertime:



Para escutar trilha completa é só clicar ao lado direito na fitinha.

amigos, amigos, relações à parte

Interessante como a cabecinha retrógrada da sociedade ainda remete à imagem de uma solteira olhos de repressão e julgamento. O fato é que quando adentramos na quadra da vida solteira as pessoas resignificam seu papel social, você de gente boa, passa a ser considerada perigo constante, como se a necessidade de ter alguma história sobrepusesse a vontade de ter alguém.

Seus amigos, ah seu amigos, se forem homens comprometidos, pode esquecer aquela brodagem da oitava série, para as respectivas deles você passará a ser uma ameaça, mesmo que você nunca tenha se interessado por ele nem ele por você. Sair sozinha para tomar uma cerveja com um amigo sem interesses afetivos-sexuais é impossível para o senso comum. Romper com isso é tarefa para corajosas como eu e você.

Nessa seara você vai perceber que aquela namoradinha do seu melhor amigo que te adorava quando você estava comprometida, vai passar a te detestar, vai fazer birra e vai implicar com você até que você se 'arranje' com alguém. Take it easy darling, não tenho a menor vocação para ser a outra.

Bom e seus amigos? Muitos deles vão achar que você está carente e que ele pode te dar assistência em momentos de crise. Pior ainda é quando eles próprios se afastam. Não era seu amigo, não é mesmo? Resignifique também o nível de amizade que você nutre pelas pessoas, viu? Tem gente que não merece consideração, saiba disso.

Quando o quesito é o respectivo da sua melhor amiga, o bicho pode pegar também. Muitos deles acham que você vai querer levá-la para conhecer os prazeres da vida solteira e ela vai gostar. Insegurança meu velho? Só não me faça de bode expiatório.

Se estar solteira é padecer no paraíso, onde fica a parte do paraíso que não tem o julgamento? Pois é cumadi, e quem disse que ser solteira é fácil? Só não esqueça de uma coisa: quem paga as suas contas é você. Dance conforme a música: viva a sociedade nada alternativa.



domingo, 3 de abril de 2011

da espécie homo sapiens cafa's

Eles chegam de mansinho, de bigode, camisa aberta no peito e safadeza no olhar 43. No melhor estilo 'vou detonar você' eles prometem felicidades, mas ocultam o fato de serem efêmeros. Abram alas que os homo sapiens cafa's vão passar.

Nesse quesito não tem quem escape, eles são sutis e cruéis, esteja certa que eles deixarão você na mão assim que perceber que a oferta está maior do que a procura. Lei do mercado filha. E num mercado competitivo como o da solterice, as relações voláteis são as preferidas desse estilo masculino, tão previsíveis quanto dois e dois são cinco.

O melhor é não se envolver. Curta até onde estiver fazendo você rir, aprofundar essas relações é a chave perfeita para fazer você chorar suas pitangas no próximo botequim. Vale a pena não gata, vá por mim. Os cafa's de plantão são perfeitos para ser o seu par momentâneo, eles sabem conquistar como nenhuma outra espécie de homo sapiens, porém eles têm um defeito de fabricação: falta neles a válvula que regula o respeito e a sinceridade.

São perigosos, por isso pense bem quando for convidá-los para algum evento social, é provável que eles joguem todo os charmes que lhes são peculiares para as meninas do local, suas amigas inclusive. A saia justa será generalizada. Constrangimento certo para quase todos os lados, o seu e o das suas amigas, sim, porque eles sempre acham que não tem nada demais nisso.

Conquistadores perfeitos exalam testosterona e são capazes de dar um perdido assim que você olhar para o outro lado. É provável que você fique sozinha fumando o cigarro do descaso. Mas eles sempre voltam, com as desculpas mais enfeitadas que possa existir no dicionário cafajestês.

Quando agressivam na pisada de bola, eles usam as mais variadas formas de reconquistar. Flores, chocolates e elogios muitas vezes não passa de 171 canalhesco. Mon amour, meu bem, ma femme, prezado Reginaldo Rossi refinado, não irão apagar as cinzas da solidão. Peça pra sair 'zerodois' que a paciência aqui já esgotou.

E você, minha imagem-semelhante, se garanta e se respeite. Os homo sapiens cafa's não tem senso de simancol e nas histórias deles o ponto e vírgula são sempre usuais, cabe a você saber o momento certo para colocar o ponto final.



domingo, 27 de março de 2011

da entidade nada sagrada: o ex

O seu relacionamento chegou na reta final, a dor já foi velada, você sozinha a enterrou, avaliou sua vida, tomou fôlego e foi estrear a sua nova temporada nesse estranho mundo novo. É nessa hora que você encontra a difícil tarefa de encarar o fato de ter um ex.

Ex é uma entidade viva. Um fantasma que rondará as suas lembranças. Até porque ex é pra sempre. Pode ser ex marido, ex namorado, ex ficante, rolo ou affair, ele para toda a eternidade da sua vida será um ex.

Não tem como fugir cumadi. Você pode usar os tratamentos mais diversificados. Falecido, finado, meu ex de tantos anos, meu ex ex, aquela pessoa, enfim, todas as vezes que você se lembrar daquele recorte da vida ele estará ali presente. E digo logo que nem David Lynch em seu filme Eraserhead conseguiu encontrar a fórmula para reconfigurar a placa mãe da sua memória.

Contra fatos não há argumentos gata, você um dia o escolheu para dividir preciosos momentos da sua vida, mesmo que tenha sido tudo somente sexo e amizade. E não adianta torcer o nariz de porrote não.

Amizade? Pode até acontecer, mas quando a dor do chute na bunda passar. E se ainda restou algumas cinzas de amor no seu coração, melhor se afastar, essa história de ir se consolar nos braços dele é furada, você pode acabar fazendo um revival e de flash back não tem coração que sustente, é infarto na certa. E cá pra nós, figurinha repetida nunca completou álbum não é mesmo?

É provável que você adquira desafetos, mesmo que você esteja na vibe do paz e amor, há grande probabilidade da próxima namorada do broto que passou na sua vida odiar você, ossos do ofício gata, você também é ex. Ela irá bisbilhotar suas páginas das redes sociais e acompanhará sua vida de perto, redes sociais são pratos cheios para namoradas atuais. Mas nada de aperreio heim? Vá viver sua vida e ser feliz, ela possivelmente não pagará suas contas.

A arte de se deparar com a entidade nada sagrada do ex é pensar que a recíproca é verdadeira e que os rumos das vossas vidas se desencontraram. Classe, querida, muita classe, a vida precisa de glamour e não será a entidade ex que deverá atrapalhar sua existência. Voilá a vida não espera.


Mas se a solteira amiga ainda tem uma esperança nos últimos suspiros do amor, então escute Ângela Maria e viva nova ilusão:


domingo, 20 de março de 2011

samba de bamba


Quem não gosta de samba, bom sujeito não é? Nem tanto ao céu nem tanto ao samba caro Dorival Caymmi. Em noites de lua cheia, rodas de samba podem ser o ápice da frustração da mulher solteira. O fato é que na pós modernidade a Marina morena se pinta sim e Amélia, meu grande Noel, definitivamente não era mulher de verdade. Que mané achar bonito não ter o que comer? Não é assim que a bateria nota 10 toca não.

Sambando podemos fazer uma observação participante digna de pesquisa etnográfica da saga da mulher solteira, com direito a diário de campo e tudo. Acontece que a roda de samba é o campo frutífero de flagrantes reproduções machistas nesse mundo ritmado de meu Deus. Desde quando uma mulher se sente homenageada quando o bamba diz que já teve mulheres de todas as cores? Pra cima de mim Martinho? Vá devar, devagarinho que todos os elogios não me farão curar o nego que vem de porre lá da bohemia.

Neste clima, eleve à centésima potência o grau de testosterona dos machos alpha, saudáveis do pé mas certamente ruins da cabeça. As cantadas? Deus do céu nos proteja, é necessário um glossário de cantadas mau sucedidas em edição especial para sambista. Refinem as cantadas e não venham com desculpas qualquer nota para justificar o exagero da cachaça na noite anterior.

Aviso aos navegantes deste barco de testosterona: se ficarem nessa, seremos nós que faremos coro com Nelson Gonçalves, levantaremos os braços e do fundo dos nossos pulmões cantaremos: Bohemia aqui me tens de regresso. Mulher moderna também canta samba com louvor, ginga com suavidade e toma aperitivo, tudo na mais perfeita classe. E não se ajeite não? O cachorrinho de estimação irá adorar curar seu porre.

Os tempos mudaram e se você, malandro sambista, quer ser o mestre sala da porta bandeira pós moderna, comece sambando direitinho, se não você ficará na arquibancada da solidão. Fale mais da nossa beleza, faça um ode à mulher brasileira em primeiro lugar, que assim poderemos escutar o apelo do Agepê e fazer de conta que você é o primeiro.



ps. Este post é em homenagem às solteiras sambistas Luciana Oliveira e Cyntia Coelho que viram de perto o alto teor de testosterona numa roda de samba.

ps1. Comente vá lá. Que mal faz um comentário?



sexta-feira, 18 de março de 2011

em noites de lua cheia


A arte de estar solteira compreende, dentre tantas coisas, aceitar sua condição de estar só por alguns momentos. Só somente só, curtindo a sua melancolia no maior patamar da sua roedeira. Nesses momentos em que você olha ao lado e não vê nada nem ninguém que possa realmente te tirar desse fosso.

Seu telefone não toca, nem sinal de fumaça daquele broto que prometia o céu, a terra e o mar e seu perfil do facebook, twitter e orkut estão mais abandonados que pão dormido. O jeito é curtir gata. Ame e aceite a sua condição de estar solteira, mesmo que em noites de lua cheia aquele cobertor de orelha faça muita falta.

Pode chorar, chorar lava a alma e o coração. Quando choramos visceralmente as lágrimas levam um pouco daquilo que nos fez sofrer. Mas nada de se afundar nessa solidão existencial. Estes momentos, embora sejam épicos e profundos, passam com o clarear do dia. Se avexe não cumadi, que amanhã pode acontecer tudo inclusive nada, como na letra daquele forrobodó.

Os desabores dos amores mau sucedidos devem ser degustados para ajustar o paladar quando a vida for brindar sua existência com aquele doce de goiaba em forma de homem. A inteligência emocional? Você pode guardar para outro dia, seguramente você precisará dela quando colocar seu nariz na rua.

Roer é uma condição peculiar à solterice, um dia você pode sentir falta. Aproveite abra um vinho, acenda um cigarro e escolha uma trilha sonora digna do roteiro de um filme de Chabrol. Sofra, mas sofra com classe. Quem disse que roer não é bom? A crise antecede à mudança minha cara gata borralheira. Espere a próxima lua cheia, quem sabe se o lobisomem não será uma ótima companhia?

Enquanto isso dance e chore com Leonard Cohen:




quinta-feira, 10 de março de 2011

amor de carnaval

A folia acabou, o rei momo foi pra casa e as orquestras silenciaram. É nessa hora que você, Drummond e o galeguinho dos olhos azuis, o Buarque de Holanda, perguntam: e agora José? É chegado momento de restabelecer a sua vida.

Tudo seria perfeito se e somente se a danada da quarta-feira ingrata, só pra contrariar, não deixasse algumas cinzas nas lembranças do coração. Paixão, ô, paixão. Esse amor de carnaval que durou uma canção na letra daquele frevo de Artur Lima Cavalcanti e Maximiniano Campos está ressoando em você colombina desamparada? Sinal que a saga da mulher solteira continua em sua vida.

Paixões de carnaval são saborosas mas, em geral, chegam ao fim com o silenciar do trompete, com a última batida da bateria da escola de samba nota 10. Às vezes volta na apoteose e se durar depois... bingo! você foi sorteada para viver um grande amor. Ouvi dizer que amores de carnaval duram para todo o sempre amém. Melhor pensar que as juras de amor do carnaval são como a fantasia que você é obrigada a despir depois da folia do momo.

Não se sinta sozinha nesse cordão, muitos corações ficam quebrados depois do carnaval. É a famosa depressão pós carnaval. Depressão muito comum entre solteiras e solteiros mundo à fora, mas ela não é duradoura, antes de casar passa. E se ele foi a serpentina partida, melhor que tenha ido embora em 4 dias, mais fácil será de se recompor. C'est la vie mademoiselle.






terça-feira, 8 de março de 2011

nós, as mulheres!


Somos mães, esposas, conselheiras, trabalhadoras e donas de casa. Ocupamos o mercado financeiro, somos economicamente ativas, mas batalhamos muito pra chegar até aqui. Temos uma presidenta da República.

Cantamos samba com louvor, batucamos nos botecos, dançamos com sensualidade e sabemos beber um aperitivo com muita classe.

Sabemos ser hostis, quando necessário, mas a sensibilidade é nosso charme principal.Falamos de sexo, gostamos de atrair, amamos ser desejadas e que atire a primeira pedra aquela que não gostar de uma boa cantada, mesmo assim adoramos um romântico- a- moda-antiga.

A cordialidade masculina nos atrai, buquê de rosas, chocolates e qualquer truque, ainda que batido, funciona com facilidade para nos envolver, mas percebemos fácil quando a cordialidade está travestindo o 171 canalhesco.

Quando nossa inteligência é subestimada, provamos nossa capacidade racional com muita habilidade e crueldade.

Somos contemporâneas, hippie, descoladas e clássicas. Equilibramos nosso corpo em saltos nº20, fazemos depilação semanalmente, nos maquiamos e estamos sempre perfumadas.

Gostamos de uma boa música e não dispensamos boas companhias para um papo agradável. Falamos sobre política, economia e comentamos o último filme do Spike Lee.

Nós já queimamos sutiãs, somos filhas de Joana D’arc, admiramos Anita Garibaldi e agradecemos às 130 grevistas tecelãs mortas numa fábrica por deixarem de herança a nossa liberdade.

quinta-feira, 3 de março de 2011

mas é carnaval [ou da série cantadas mau sucedidas]


A festa dionisíaca se aproxima e com ela os solteiros e as solteiras efetivamente se soltam regidos pelo deus Baco. Tudo vale por um 'vou beijar-te agora não me leve a mal hoje é carnaval', digo, tudo? Calma lá farristas segurem o frisson dessa festa para ocasionar com moderação.

Essa história de beija, beija, tá calor, tá calor, não está com nada se não rola no mínimo três dedos de prosa. Digo, três dedos de prosa legal e não uma prosa qualquer nota. As solteiras bem resolvidas não se importam em passar um carnaval inteiro sem um cobertor de orelha, até acham bom, carnaval é festa para diversão e esta não está condicionada apenas ao que diz respeito chenhem nhem.

É exatamente nessa festa do ano que somos obrigadas a escutar as mais vexatórias cantadas, e ai fica a impressão de que quanto maior a concentração de gente menos trabalhadas as cantadas ficam. Por isso elegi 2 das piores que escutei num carnaval para você meu amigo de fé, meu irmão camarada não reproduzir nesse carnaval, possivelmente com essas cantadas você será o arlequim chorando pelo amor da colombina no meio da multidão:

Cantada bipolar - Aquela que começa com um elogio e acaba com uma ofensa:

- Ei tu é linda, posso te dar um beijo?
- Não.
- Você é muito metida.
- Metida por que não quero te beijar?
- Não, porque tu se acha linda e gostosa.
- Vem cá amigo na tua concepção eu sou linda ou me acho linda?
- Você é horrorosa.
- Ah, esclarecida, pensei que tivesse escutado lá no começo da conversa que eu era linda.

Consideração unica: corra!

Cantada à la Otto Jambro Band - Aquela que não tem pé nem cabeça (essa acontece normalmente no MAC, ponto estratégico do carnaval de Olinda, é práxi):

- Você está de azul!
- É!!!
- Veja que interessante: o azul... (travou), pois é tá calor hoje não é?

Consideração unica: Se você estiver muito chapado melhor não se atrever a dar uma cantada, você corre sério risco travar no meio da cantada, vai ser engraçado mas você provavelmente não levará vantagem.

Carnaval, do grego 'carni valles', significa a festa dos prazeres da carne, ou seja, são várias opções de prazeres que a pessoa pode elencar para ser o seu porta estandarte e se o agarra agarra não foi eleito entre as moçoilas, paciência meu querido, não é porque é carnaval que ela é obrigada a satisfazer seu desejo, se aprume vá, pelo amor de Baco.

Por um carnaval relax, bonito e alegre na vida de todos nós, solteiros ou comprometidos. Voilá é carnaval e a vida vira uma grande festa.



se você quiser saber mais sobre cantadas mau sucedidas acessem aqui e não passem vergonha.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

da santa indecisão masculina


Quando você percebe no broto os movimentos cansados da postura masculina de te deixar em banho maria, nega, corra, corra bem muito que você pode estar entrando num grande conto do vigário. Sem originalidade alguma, será só mais um que te prometeu o céu, a terra e o mar mas na verdade não vai poder te oferecer nem dois dedos de água quiçá um teco teco pra voar.

Tudo começa com uma mentirinha aqui que você faz vista grossa, uma promessa não cumprida ali que você finge que esqueceu e assim o marmanjo vai se acostumando com sua benevolência e vai agressivando mais ainda nas mancadas, nessas horas melhor seguir em frente minhas amigas que desse mato não sai cachorro, gato nem papagaio que dirá um homem de verdade.

Uma hora a paciência esgota e é nessa mesma hora que você se dá conta que é só o mais do mesmo. Não caro amigo, não me confunda com a Madre Tereza de Calcutá, até onde me consta freiras fazem voto de castidade e eu não. Paciência é bom mas a edição é limitada. Invente, tente, faça um 92 diferente prezado global, que nessa eu não caio mais.

Fazer joguinhos de azar no relacionamento é pra perdedor. Rebole não 'môvei', seja original e tome uma atitude que você pode perder a oportunidade de ter alguém realmente legal. A paciência dos rabos de saia que conheço, a minha inclusive, é curta demais pra ficar num chove não molha, pois então 'seje homi', assuma sua posição porque pode chegar um zagueiro na marcação e fazer um gol de placa na sua frente e engula o choro viu? Foi você quem quis assim.

Pois é cara imagem-semelhante, se você não está afim de pagar o dízimo da indecisão masculina prefira seguir sua solterice na santa paz da decisão, para isso é preciso que você tome conta da sua independência, muitas vezes a máxima do antes só do que mal acompanhada pode te fazer melhor do qualquer vigário enrustido de carinha descolado que apareça na sua frente.

Maria Bethânia deu o recado: meu amigo, se ajeite comigo e dê graças a Deus

sábado, 12 de fevereiro de 2011

se atualize

Se você cara solteira modernex mode on, vive se questionando se a humanidade de fato acompanhou a evolução das espécies nesses tempos líquidos ou se permanecem no século passado onde mulheres são padrões projetados pelo homem, essa crônica pertence nada mais nada menos que à você. Na matéria da solteirice feminina difícil mesmo é se adaptar à retrógrada cabecinha da sociedade que relega às mulheres aquele modelo mais demodé que vestido de renda.

A amiga solteira Elaine Acioly que o diga, mulher moderna no mais alto padrão de descolamento, vive sendo alvo de críticas pelo simples fato de ser feliz com ela mesma. No melhor estilo "solteira sim, sozinha nunca" vive seus romances sem encanar com os julgamentos repressivos, mas tome crítica pra cima dessa Deusa de Ébano. Libere a menina, vá lá?

Ela não está sozinha nessa cruzada moral que ainda toma conta das línguas mais afiadas que existe nesse mundão moderno vintage. Mulheres pra frente são vanguardistas e como toda vanguarda sofre com as convenções que engessam a vida. Saia dessa meu velho e deixe a menina sambar em paz que essa cara de marido não vai te levar a lugar nenhum.

As mulheres pós modernas não aceitam mais os namorinhos de portão, cheios de pudores e hipocrisia. A ordem do dia é a liberdade, a mesma liberdade que meu padim padi xico (sá) disse que é 3D. Esteja certo que a inquisição do julgamento em sépia está em algum lugar do passado. Se atualizar é uma das coisas mais preciosas que a era líquida nos trouxe, já dizia o caríssimo inventor dessa liquidez moderna, Zygmunt Bauman. E quem chegar por último nessa atualização é a mulher do padre.

Pode calçar os sapatos do descolamento relacional se quiser acompanhar a liberdade existencial, que mal faz entender que mulheres assim como homens têm tesão, gosta de sexo e não têm paciência com joguinhos de sedução? E assim como homens também se apaixonam, se entregam e caiem no fosso da solidão, sobretudo quando são obrigadas a escutar: você não é mulher para mim. How? Se somos iguais à vocês na cama isso não invalida a nossa confiabilidade.

Menos amigo, muito menos, quase nada. E se ficar nessa, digo logo meu caro lampião que o candeeiro da felicidade se apagará nos próximos minutos e você terá perdido uma grande oportunidade de ser o macho alpha da mulher mais interessante que passou na sua vida. So sorry, baby, esteje preso nessa teia do passado.


ps. a saga utilizou o nome da solteira Elaine com toda a permissão do mundo, porque ela é realmente descolada e tem como música tema nada mais nada menos que Nara Leão: